Forania: 3

Paróquia São Benedito

Administrador Paroquial

Pe. Claudinei de Freitas

Forania: 3

Paróquia São Benedito

Administrador Paroquial

Pe. Claudinei de Freitas

Horários
Celebração Eucaristica

Segunda

19h30

Terça

06h00

Quarta

19h30

Quinta

06h00

Sexta

15h00

Sábado

16h00 e 19h30

Domingo

09h00 e 19h30

Comunidades e Capelas

Domingo: 07h00 Capela São Cristóvão (cervinho)

Horários
Confissões

Quarta

14h00 às 17h00

Quinta

14h00 às 17h00

Sexta

14h00 às 17h00

Sábado

08h00 as 11h00
Informações
Secretaria Paroquial

Praça João Florêncio Pereira, s/n - Centro

(17) 3557-1221

Horário de Funcionamento

Segunda a Sexta:
07h00 às 11h00 das 12h30 às 17h30

Redes Sociais

Sobre

A PARÓQUIA

O município de Sales tem seu início em meados de 1900 a 1914 com a chegada das primeiras famílias numa região então habitada pelos índios da nação Guarani. Muitas pessoas se esforçaram para criar um povoado que, aos poucos, fora recebendo novas famílias e se organizando melhor. Dentro da mata ainda existe o antigo cemitério, chamado de “Cemitério dos Esquecidos” onde estão sepultados chefes indígenas e os primeiros moradores do povoado.[bg_collapse view=”link” color=”#ff0000″ icon=”eye” expand_text=”Continuar lendo…” collapse_text=”Continuar lendo…” inline_css=”font-weight: 700;” ]

Aos 04 de abril de 1923, reuniram-se no atual largo do jardim da praça da Matriz, onde fora levantado o primeiro cruzeiro, José Paulino, José Helena, Manoel Mendes Fernandes, Miguel Tarsitano, Paschoal Amêndola, Ramillo Salles, Joqauim Ramalho, José Moreira Luiz, Joaquim Limão, Estácio Taboas (doador do cruzeiro) e Cezário de Castilho. Nessa mesma época foi construída a primeira Capela do Padroeiro São Benedito com uma grande festa idealizada por José Severino que doou uma segunda imagem de São Benedito e um motor movido a querosene que produzia energia elétrica para iluminar o local.

A primeira imagem de São Benedito foi doada por Cezário de Castilho, pai de José Cezário de Castilho, conhecido por Cita Castilho. A imagem ficou na fazenda Tabaju até meados de 1994, quando José Amêndola e o padre Oswaldo Alfredo Pinto, depois de conversarem com Cita Castilho, transladaram o santo para a Igreja Matriz de São Benedito. Esta imagem foi restaurada em maio de 2014 e se encontra junto ao altar-mor da igreja.

A Capela de São Benedito sempre foi atendida pelo pároco da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, da cidade de Irapuã.

No dia 04 de junho de 1983 o senhor bispo diocesano da Diocese de São Carlos, Dom Constantino Amstalden, criou a Paróquia de São Benedito que compreende todo o território do município de Sales. Nessa ocasião, seu primeiro pároco foi o então pároco da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, de Irapuã, o Pe. Oswaldo Alfredo Pinto.

No ano 2000 a Paróquia passou a pertencer à Diocese de Catanduva em virtude de sua criação pelo papa João Paulo II.

A atual Igreja Matriz foi construída com o trabalho de toda a Comunidade de Sales, sob a orientação do Pe. Aparecido Nieto, durante os anos de 1999 e 2001 sendo Dedicada a Deus na cerimônia presidia por Dom Antonio Celso de Queirós, então bispo diocesano da Diocese de Catanduva, no dia 12 de outubro de 2001.[/bg_collapse]

Sobre

São Benedito

São Benedito, o Negro (1526-1589), filho de escravos, nasceu em São Filadelfo, nas proximidades de Messina, na Sicília (Itália), uma região que produzia açúcar. Aos 18 anos, vendeu o arado e a junta de bois que possuía e tornou-se eremita, submetendo-se às mais rigorosas penitências na solidão das cavernas. Sua fama de homem misericordioso e compassivo logo se espalhou pela região e devolveu a muitos a saúde física e a paz de espírito.

Aos 38 anos, tornou-se irmão franciscano, no Convento de Santa Maria, onde exerceu o ofício de cozinheiro e guardião do convento. Analfabeto, a todos surpreendia com sua sabedoria e o dom de profetizar. Sua confiança em Deus era tão profunda que, com apenas um sinal-da-cruz, curava enfermos, fazia mortos reviverem e multiplicava os alimentos, para saciar a fome dos pobres.

Ao falecer, aos 04 de abril de 1589, sua devoção começou a se difundir em Portugal, chegando até o Brasil. Porém, somente em 1807, diante da força do clamor de seus devotos negros do mundo inteiro, foi canonizado. Tornou-se, desde 1610, o santo negro mais querido e venerado indistintamente por todos. Sua vida e seus milagres foram transmitidos oralmente de geração em geração.

Hoje, São Benedito ganhou o coração e a estima do povo, especialmente dos simples e excluídos, que veem nele o defensor poderoso, que nunca deixou faltar o pão aos necessitados.

Aqui no Brasil, a CNBB reivindicou sua festa aos 05 de outubro para aproximá-la da festa de Nossa Senhora do Rosário, protetora peculiar dos cativos. É que a Virgem do Rosário e o humilde franciscano São Benedito receberam a devoção dos escravos brasileiros e seus descendentes.